Pesquisar este blog

segunda-feira, 29 de julho de 2013

"Estou esperando o momento oportuno para desmascarar esses bandidos", diz Joaquim Barbosa


Em entrevista a Miriam Leitão, Joaquim Barbosa comentou a recente "perseguição" que estaria sofrendo por parte de setores da grande mídia e de blogs "anônimos".

A partir do momento em que despontou como candidato favorito à Presidência da República em pesquisa realizada pelo Datafolha em manifestação de São Paulo, passou a ser mais visado e investigado.

Segundo relatos publicados nas redes sociais, Franklin Martins, assessor de Dilma, teria avançado com blogueiros "amigos do governo" o vasculhamento da vida pessoal do ministro, tendo em vista que este seria um potencial e perigoso concorrente. A intenção seria "mostrar que ele é como os políticos".

Desde então, Joaquim Barbosa foi acusado de comprar um apartamento ilegalmente nos EUA, ferindo estatuto público, além de emergirem informações sobre relacionamento de seu filho com a Rede Globo, entre outros.

Na entrevista, Joaquim Barbosa comentou: "Há milhares de pessoas públicas no Brasil. No entanto os jornais não saem por aí expondo a vida privada dessas pessoas públicas. Pegue os últimos dez presidentes do Supremo Tribunal Federal e compare. É um erro achar que um jornal pode tudo. Os jornais e jornalistas têm limites. São esses limites que vêm sendo ultrapassados por força desse temor de que eu eventualmente me torne candidato".

Prosseguiu: "No momento em que um candidato negro se apresente, esses bolsões [de preconceito] se insurgirão de maneira violenta contra esse candidato. Já há sinais disso na mídia. As investidas da Folha de S.Paulo contra mim já são um sinal. A Folha de S.Paulo expôs meu filho, numa entrevista de emprego. No domingo passado, houve uma violação brutal da minha privacidade. O jornal se achou no direito de expor a compra de um imóvel modesto nos Estados Unidos. Tirei dinheiro da minha conta bancária, enviei o dinheiro por meios legais, previstos na legislação, declarei a compra no Imposto de Renda. Não vejo a mesma exposição da vida privada de pessoas altamente suspeitas da prática de crime".

Sendo mais incisivo, asseriu: ". Nos últimos meses, venho sendo objeto de ataques também por parte de uma mídia subterrânea, inclusive blogs anônimos. Só faço um alerta: a Constituição brasileira proíbe o anonimato, eu teria meios de, no momento devido, através do Judiciário, identificar quem são essas pessoas e quem as financia. Eu me permito o direito de aguardar o momento oportuno para desmascarar esses bandidos".
(informações Mirian Leitão - O Globo)

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Mexendo no problema errado

 (*) Carlos Brickmann – 
 
Não é questão de nacionalidade: um dos maiores médicos do Brasil foi um ucraniano, Noel Nutels, que levou a saúde pública às áreas indígenas da Amazônia. A questão é outra: é que o Governo criou uma enorme polêmica por achar que Saúde é Medicina. E não é: Medicina é a última etapa na luta pela Saúde.

A Saúde começa pela engenharia – saneamento básico. A água potável e os esgotos reduzem o número de doentes (e derrubam a mortalidade infantil). Educação é o segundo passo: quem lava as mãos e cuida da higiene básica, mantém o mosquito da dengue à distância, assegura a limpeza dos animais domésticos e cuida de seu lixo tem mais condições de evitar doenças. Condições de vida são importantes: roupas e calçados minimamente adequados, alimentação suficiente, moradia saudável fazem milagres. Se uma pessoa educada, com acesso a saneamento básico, alimentação e moradia, devidamente vacinada, mesmo assim fica doente, então cabe à Medicina cumprir seu nobre e insubstituível papel de cura.

Em resumo, não adianta trazer grandes especialistas mundiais sem que a população tenha condições adequadas de vida. Tem? Não, não tem. E não falemos de periferias: Guarulhos, na Grande São Paulo, segunda maior cidade do Estado, 13ª do país, com 1,2 milhão de habitantes, onde está o maior aeroporto internacional do país, não trata nem metade dos esgotos que lança no rio Tietê.

A propósito: sem seringas, termômetro, um medidor de pressão, um medidor de glicemia, alguns remédios, que é que se espera de um médico? Milagres?

A razão da crise

O presidente da Volkswagen do Brasil, Thomas Schmall, falando em Porto Alegre, mostrou um número significativo, transcrito pelo bom blog de Fernando Albrecht: um americano com salário médio trabalha dez minutos para comprar um Big Mac; um alemão, 16 minutos; um brasileiro, 42 minutos.
E é provável que EUA e Alemanha usem carne brasileira.

Os saltimbancos

1 – O presidente da Câmara Federal, deputado Henrique Alves, quer que Dilma Rousseff reduza o número de ministérios de 39 para 25. OK, a ideia não é ruim. Mas por que 25, e não 23, 27 ou 29? Por nada: ele gosta de 25, pronto. E deve achar que o número de ministérios nada tem a ver com as necessidades do Governo – tanto que cita o número sem qualquer estudo administrativo.

Será que Henrique Alves quer economizar dinheiro público? Não deve ser isso, não: o jantar em que reuniu a bancada do PMDB, dia 16, custou R$ 28.400 à Presidência da Câmara. Foram R$ 355,00 por pessoa, sem bebidas. Um esplêndido restaurante, como o Tatini, de São Paulo, não cobra nem a metade disso.

2 – O prefeito de Paulínia, SP, Édson Moura Jr., do PMDB, tomou posse e anunciou imediatamente o Passe Livre na cidade. A passagem custava R$ 1,00.

Será que o prefeito fez questão de ouvir a voz das ruas? Não deve ser isso, não. Já nomeou a madrasta, Regina de Mattos e Moura, secretária da Promoção Social. Talvez retribuindo a bondade do pai, Édson Moura, candidato à Prefeitura barrado por não ter a ficha limpa. Moura, na véspera da eleição, renunciou à candidatura em favor do filho. Como não havia tempo para registrar o nome do novo candidato, Moura Jr. se elegeu usando o nome do pai. Em seguida nomeia a esposa do pai. Gratidão é uma virtude. Pena que com dinheiro público.

Trabalhadores do Brasil

O Congresso já está de férias. Pela Constituição, não poderia: descanso, só depois de aprovada a Lei de Diretrizes Orçamentárias. Mas, com aquele ritmo de trabalho escravo imposto a Suas Excelências, não houve tempo sequer para exame do tema na Comissão de Orçamento. Mas como agir para buscar as bases, ouvir seus eleitores?

Simples: em vez de entrar em férias, Senado e Câmara decidiram que não haverá sessões até 31 de julho. Se não há sessões, como comparecer às sessões? Há gente para quem tudo o que é complexo fica simples.

Bosque finito est

Que o papa Francisco, como dirigente espiritual da maioria da população brasileira, seja recebido com todas as honras e deferências, respeitando-se não apenas sua liderança religiosa e o posto supremo que ocupa, mas também suas inequívocas qualidades pessoais. Que o Governo se empenhe em oferecer-lhe as melhores condições para sua pregação; que os não católicos, mesmo os mais radicais, o tratem no mínimo com a hospitalidade devida aos visitantes.

Mas a Igreja Católica poderia ter-nos poupado a bobagem de derrubar 334 árvores em Niterói, RJ, para facilitar a realização da missa campal durante a Jornada Mundial da Juventude. Árvores com cem anos de vida não se repõem de uma hora para outra; e mexer com árvores exige autorização da Secretaria Municipal de Ambiente, que não foi sequer solicitada. Se o papa souber, não vai gostar.

Deixa pra lá

O deputado Marcos Feliciano, do PSC paulista, quer que Dilma vete parte da lei que obriga o SUS a atender mulheres que sofreram estupro. Besteira dele: é preciso cuidar das vítimas de acordo com a orientação médica, e Feliciano não é médico. É melhor ignorá-lo: não o ajude a garimpar votos fundamentalistas.

(*) Carlos Brickmann é jornalista e consultor de comunicação. Diretor da Brickmann & Associados, foi colunista, editor-chefe e editor responsável da Folha da Tarde; diretor de telejornalismo da Rede Bandeirantes; repórter especial, editor de Economia, editor de Internacional da Folha de S. Paulo; secretário de Redação e editor da Revista Visão; repórter especial, editor de Internacional, de Política e de Nacional do Jornal da Tarde.

Números da economia brasileira preocupam cada vez mais e mostram que o País está sem comando


 
Tempo fechado – Enquanto os palacianos vociferam sandices acerca da economia, cada vez mais cambaleante, a realidade mostra-se avessa. Nesta terça-feira (23), o Ministério do Trabalho divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), deixando claro que encolheu a geração de empregos no primeiro semestre deste ano.

De acordo com o Caged, o Brasil criou 826.168 novas vagas formais de trabalho nos primeiros seis meses do ano, contra 1,04 milhão no mesmo período de 2012. O que representa uma queda de 21,1% na geração de empregos. Trata-se do pior resultado para o período desde 2009, quando foram criados 397.936 empregos com carteira assinada. Em junho deste ano a criação de vagas formais registrou alta, com 123.836 de novos postos de trabalho, contra 120.440 criados em junho de 2012.

A outra peça desse preocupante quebra-cabeça é a confiança do consumidor. De acordo com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Índice de Confiança do Consumidor registrou recuo de 4,1% entre julho e junho deste ano, caindo para 108,3 pontos, menor nível desde maio de 2009, quando alcançou 103,6 pontos. O cenário se agrava com a insatisfação do consumidor com economia. De acordo com a pesquisa da FGV, Índice da Situação Atual (ISA) baixou 9,7%, para 109,2 pontos, o menor desde maio de 2009 (103,0) e inferior à média histórica de 127,6 pontos.

Como nunca é pequeno o estrago produzido pela incompetência que reina no desgoverno de Dilma Rousseff, a indústria brasileira vem sofrendo há anos e agora ostenta a mais baixa carteira de pedidos. O que permite concluir que o desemprego começa a acenar no horizonte nacional. A desconfiança no Brasil cresce e junto eleva a cotação do dólar, que por sua vez impulsiona a inflação. Para conter o mais temido fantasma da economia, o Banco Central já avisou que o remédio e subir as taxas de juro.

Mesmo assim, o ainda ministro Guido Mantega, da Fazenda, continua afirmando que a economia começará a retomar a pujança neste segundo semestre. Se espasmos de crescimento, intercalados por recaídas, significam retomada da economia, o Brasil já é o país de Alice e ninguém sabe.
(fonte: ucho.info)

domingo, 21 de julho de 2013

Proteger-se bem contra o frio !

 
1 : VÁRIAS CAMADAS DE ROUPA SOPREPOSTAS

A sobreposição de várias camadas, para garantir uma excelente proteção térmica.
É preferível 3 camadas finas que uma única camada com a mesma espessura… o ar sendo o melhor isolante térmico, vai instalar-se entre as camadas e é aquecido pelo seu corpo, garantindo assim maior calor.

Para além disso, é também mais fácil retirar ou acrescentar uma camada para se adaptar à temperatura!

3 espessuras de roupa para enfrentar todos os tipos de clima, é este o princípio multicamadas.

Mas atenção, sobreponha sim, mas não qualquer tipo de roupa: Em contato direto com a pele, escolha roupa técnica respirante (para a eliminação da transpiração), a segunda camada deve produzir e manter o calor, uma roupa respirante e isolante como o polar é perfeitamente adaptada, por fim termine com uma roupa impermeável e corta-vento, para o proteger das agressões climatéricas : chuva, neve e vento.


2 : AS EXTREMIDADES

Face ao frio, são as extremidades do nosso corpo que mais arrefecem. Conselhos para proteger melhor a cabeça, mãos e pés.

A cabeça: Usar um gorro permite diminuir em 50% a perda de calor. Hidrate os lábios e a pele do rosto uma vez que o frio seca.

As mãos: Luvas obrigatórias, em caso de muito frio ou intempérie use luvas impermeáveis e isolantes ou mais quentes. Atenção, as luvas molhadas não oferecem proteção: troque-as por umas secas !

Como aquecer as mãos: quando começar a sentir os efeitos do frio (dormência), faça movimentos cruzados com os braços. As compressas de aquecimento que se colocam nas luvas são também uma boa opção.

Os pés: As meias: Certifique-se que estão bem secas quando as calçar. Não escolha meias muito grossas nem sobreponha 2 pares, corre o risco de ficar muito apertado dentro dos sapatos o que dificultará a circulação sanguínea e criará o efeito inverso ! Escolha meias com lã ou melhor ainda com seda devido à sua qualidade isolante ! Os sapatos: Não os use muito apertados para que uma fina camada de ar (o melhor isolante térmico) possa circular.


3 : BEBER LÍQUIDOS QUENTES

Longe do cliché do instrutor e da sua garrafa de bebida, é melhor beber chá bem quente transportado numa garrafa térmica que álcool !Mesmo que isto lhe pareça agradável, não o irá aquecer de todo, pelo contrário !

Depois de 9 anos, Xavante ergue a taça de Campeão

Brasil vence São paulo por 1x0 com gol de pênalti cobrado por Rafael Forster.
 
Direção libera e torcida invade o campo para comemorar o retorno do Xavante à elite do futebol com direto a campeão da Série A2 (Foto: Carlos Queiroz - DP)
  
Rafael Forster cobra pênalti e abre o placar para o Xavante aos 33 minutos do segundo tempo (Foto: Carlos Queiroz - DP)

Depois do rebaixamento em 2009, ano do fatídico acidente sofrido pela delegação Xavante e que vitimou três pessoas do elenco rubro-negro, entre eles o ídolo Cláudio Milar, o torcedor voltou a sorrir. Em 2014, o Brasil está de volta à elite do futebol gaúcho. Há nove anos, o mesmo Rogério Zimmermann levantava o clube. E hoje, mais uma vez, a estrela do técnico brilhou, com o título da Divisão de Acesso.

A alegria da torcida, que apoiou o time em todos os momentos, tomou conta do gramado depois da invasão rubro-negra. O time volta à elite do gauchão após ser rebaixado em 2009, ano da tragédia que tirou a vida de Claudio Millar, Régis e Giovane, três pessoas homenageadas pela direção do Grêmio Esportivo Brasil, de Pelotas.

Em um coro só, jogadores na arquibancada e torcedores enalteciam o time com a frase: o campeão voltou. O momento de explosão foi quando o capitão Xavante, Leandro leite, levantou à taça de Campeão Gaúcho da Segunda Divisão. Se o pedido para que Rogério Zimmermann ficasse foi repetido várias vezes durante o jogo, quando o técnico ergueu o troféu foi quase como um compromisso. A festa no estádio Bento Freitas e na avenida Bento Gonçalves deve invadir a madrugada de domingo (21).

O jogo
Um primeiro tempo de jogo equilibrado e truncado, com os dois times marcando forte, mas com dificuldades, principalmente do Xavante de chegar na área adversária, mesmo com o placar do primeiro jogo na final no Aldo Dapuzzo à favor. Dos poucos ataques, as finalizações não contribuiriam para ambos os times a abertura do placar. Mas o que não faltou, nos primeiros 45 minutos, foi faltas.

O primeiro lance que levou perigo ao gol de Luciano foi aos 8 minutos, após cruzamento para área, que o goleiro deixou escapar a bola e Éder Machado tentou aproveitar a chance. Aos 11 minutos, numa cobrança de escanteio para o Xavante, a zaga rebateu e Maicon Sapucaia chutou de fora da área, para a defesa de Luciano.

Aos 18 minutos, após confusão na lateral direita, o jogador do rubro-verde, Diego Borges levou cartão amarelo. Aos 22 minutos, uma falta marcada por Maicon Sapucaia deu ao São Paulo a oportunidade de abrir o marcador. Luiz Müller fez grande defesa, espalmando a bola para escanteio. Já nos acréscimos, mais uma chance do Xavante, mas o jogo acabou mesmo terminando com a igualdade no placar.

Manutenção
Com o regulamento debaixo do braço, O Xavante desacelerou nos primeiro minutos do segundo tempo, o que favoreceram faltas e distribuição de cartões amarelos, como para o goleiro Luiz Müller e Wender. O jogo continuou equilibrado com o São Paulo mantendo a marcação forte, na tentativa de manter o placar. Mas aos 27 minutos, Alex Amado aproveitou a falha do zagueiro Gomes e quase marcou, mas acabou falhando na finalização.

Mas aos 30 minutos, Rogério Zimmerman substitui Maicon Sapucaia por Willian Kozlowski, que dois minutos depois sofre um pênalti de Émerson Dantas. Aos 33 minutos, Rafael Forster cobra com categoria e abre o placar para o Brasil.

Ainda no final do jogo, Gustavo Papa, que entrou no lugar de Éder Machado, cabeceou por cima do gol de Luciano. Depois disso, festa e alegria do torcedor Xavante, que festejou dentro do campo com os jogadores o sofrido retorno à Primeira Divisão do Futebol Gaúcho.
(Colaborou Bruno Marsilli)

Confira ficha técnica

Brasil

Luiz Müller
Wender
Cirilo
Fernando Cardozo
Rafael Forster
Leandro Leite
Washington
Cleiton (Canhoto)
Maicon Sapucaia (Willian Kozlowski)
Alex Amado
Éder Machado(Gustavo Papa)
Técnico: Rogério Zimmermann

São Paulo
Luciano
Caio Gomes
Carlão Farias
Wagner
Locatelli (Roicardo Ramos)
Carlos Alberto
Diego Borges
Saraiva
Fabiano Diniz (Michel)
Aylon (Diego Sapata)
Alê Menezes
Técnico: Rudi Machado 

Arbitragem: Francisco Silva Neto; auxiliado por Júlio César dos Santos e Elio Nepomuceno Júnior. O quarto árbitro é Alessandro Mocelin.
 
 (Por: Cíntia Piegas - Diario Popular)

sábado, 20 de julho de 2013

MEU CARO AMIGO



Meu Caro Amigo

Chico BuarqueComposição: Chico Buarque / Francis Hime

Meu caro amigo me perdoe, por favor
Se eu não lhe faço uma visita
Mas como agora apareceu um portador
Mando notícias nessa fita

Aqui na terra tão jogando futebol
Tem muito samba, muito choro e rock'n'roll
Uns dias chove, noutros dias bate o sol

Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta

Muita mutreta pra levar a situação
Que a gente vai levando de teimoso e de pirraça
E a gente vai tomando que também sem a cachaça
Ninguém segura esse rojão

Meu caro amigo eu não pretendo provocar
Nem atiçar suas saudades
Mas acontece que não posso me furtar
A lhe contar as novidades

Aqui na terra tão jogando futebol
Tem muito samba, muito choro e rock'n'roll
Uns dias chove, noutros dias bate o sol

Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta

É pirueta pra cavar o ganha-pão
Que a gente vai cavando só de birra, só de sarro
E a gente vai fumando que, também, sem um cigarro
Ninguém segura esse rojão

Meu caro amigo eu quis até telefonar
Mas a tarifa não tem graça
Eu ando aflito pra fazer você ficar
A par de tudo que se passa

Aqui na terra tão jogando futebol
Tem muito samba, muito choro e rock'n'roll
Uns dias chove, noutros dias bate o sol

Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta

Muita careta pra engolir a transação
Que a gente tá engolindo cada sapo no caminho
E a gente vai se amando que, também, sem um carinho
Ninguém segura esse rojão

Meu caro amigo eu bem queria lhe escrever
Mas o correio andou arisco
Se me permitem, vou tentar lhe remeter
Notícias frescas nesse disco

Aqui na terra tão jogando futebol
Tem muito samba, muito choro e rock'n'roll
Uns dias chove, noutros dias bate o sol

Mas o que eu quero é lhe dizer que a coisa aqui tá preta

A Marieta manda um beijo para os seus
Um beijo na família, na Cecília e nas crianças
O Francis aproveita pra também mandar lembranças
A todo o pessoal
Adeus

sábado, 13 de julho de 2013

13 de julho - Dia Internacional do Rock!


Mas porque 13 de julho? Foi no dia 13 de julho de 1985 que um cara chamado Bob Geldof, vocalista da banda Boomtown Rats, organizou aquele que foi sem dúvida o maior show de rock da Terra, o Live Aid - uma perfeita combinação de artistas lendários da história da pop music e do rock mundial.


Tina Turner & Mck Jagger

Além de contar com nomes de peso da música internacional, o Live Aid tinha um teor mais elevado, que era a tentativa nobre de conseguir fundos para que a miséria e a fome na África pudessem ser pelo menos minimizadas. Dois shows foram realizados, sendo um no lendário Wembley Stadium de Londres (Inglaterra) e outro no não menos lendário JFK Stadium na Filadélfia (EUA).

Os shows traziam um elenco de megastars, como Paul McCartney, The Who, Elton John, Boomtown Rats, Adam Ant, Ultravox, Elvis Costello, Black Sabbath, Run DMC, Sting, Brian Adams, U2, Dire Straits, David Bowie, The Pretenders, The Who, Santana, Madona, Eric Clapton, Led Zeppelin, Duran Duran, Bob Dylan, Lionel Ritchie, Rolling Stones, Queen, The Cars, The Four Tops, Beach Boys, entre outros, alcançando uma audiência pela TV de cerca de 2 bilhões de telespectadores em todo o planeta, em cerca de 140 países. Ao contrário do festival Woodstock (tanto o 1 como o 2), o Live Aid conseguiu tocar não somente os bolsos e as mentes das pessoas, mas também os corações.


Pete Towshend (The Who)

No show da Filadélfia, Joan Baez abriu o evento executando "Amazing Grace", com cerca de 101 mil pessoas cantando em coro o trecho "eu estava perdido e agora me encontrei, eu estava cego e agora consigo ver". Este show marcou também a única reunião dos três sobreviventes da banda Led Zeppelin, Robert Plant, Jimmy Page e John Paul Jones, com a presença ilustre de Phil Collins na bateria.

No final deste show, Mick Jagger e Tina Turner juntos, cantando "State of Shock" e "It's Only Rock and Roll", com Daryl Hall, John Oates e os ex-integrantes dos Temptations, David Ruffin e Eddie Kendrichs fazendo os backing vocals. Foi realmente um momento único na história do ROCK!


Paul McCartney & Elton John

O Live Aid conseguiu em 16 horas de show acumular cerca de 100 milhões de dólares, totalmente destinados ao povo faminto e miserável da África. Isso é a cara do ROCK AND ROLL!

ATITUDE!!!


Robert Plant & Jimmi Page (Led Zeppelin)

quinta-feira, 11 de julho de 2013

BNDES perdeu 38% do patrimônio em 2 anos enquanto outros Bancos lucraram bilhões

Cadê a  competência? 
BNDES perdeu 38% do patrimônio em 2 anos enquanto outros bancos lucraram bilhões.



Guido Mantega segue levando nossa economia pro buraco.

No últimos anos nenhum segmento do país conseguiu lucrar mais do que o bancário. Aliás, em toda a história do país os bancos nunca viveram uma situação tão confortável. Depois de avacalhar com uma empresa que detêm o monopólio dos combustíveis no Brasil, o PT conseguiu derrubar o maior banco de investimento do país.

Ocorre que foi divulgada uma notícia que dá conta de uma perda de 38% (quase a metade) do patrimônio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nos últimos anos, enquanto a média de cinco grandes bancos públicos e privados registrou crescimento de 25%.

A notícia expõe a crise de empresas estatais nos últimos dez anos. Após o TCU afirmar que a Petrobras está estrangulada (leia AQUI), a queda no patrimônio do BNDES mostra que a crise começa a se espalhar por outras empresas públicas que antes eram verdadeiros colossos econômicos.

O BNDES conseguiu perder patrimônio em um ambiente de lucro invejável. Dados do Instituto Economática dão conta de que entre 2003 e 2010 o lucro líquido dos nove bancos do Brasil chegou a R$ 199,4 bilhões, valor corrigido pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

A bonança dos bancos na era do PT fica mais escancarada quando comparada ao governo Fernando Henrique. Entre 1995 e 2002, essas mesmas nove instituições bancárias lucraram R$ 30,7 bilhões, também em valores corrigidos pela inflação.

A notícia da queda do BNDES foi mostrada em levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV).

Para os economistas José Roberto Afonso e Gabriel Leal de Barros, ambos do Ibre, essa é uma clara evidência de que o governo está enfraquecendo os bancos públicos, principalmente o BNDES, com sua política de recolher dividendos antecipados. Essa é a tese que eles defendem no estudo Receitas de Dividendos, Atipicidades e (Des) Capitalização.

“O governo fala em capitalização, mas na verdade o que está acontecendo é descapitalização”, frisou Afonso. “O Tesouro sacou reserva de lucro acumulado sem um aumento de capital compatível com o crescimento do crédito.” Outra causa para esse desempenho são as “violentas” perdas sofridas pelo banco com ações de Petrobrás, Embratel e Vale, por exemplo. Para ele, essa perda de fôlego pode ter consequências negativas no mercado de crédito.

De acordo com o levantamento, o patrimônio líquido do BNDES caiu de R$ 75,602 bilhões em março de 2011 para R$ 46,799 bilhões em março passado, uma redução de 38%. No mesmo período, o Itaú Unibanco registrou aumento de 17% em seu patrimônio e o Bradesco, de 35%. O patrimônio líquido do Banco do Brasil teve expansão de 19%.

De acordo com informações da área econômica, o índice do BNDES caiu ainda mais. Não foi por acaso que o governo editou, no início de junho, a Medida Provisória 618, que autoriza o Tesouro a aumentar o capital da instituição em R$ 15 bilhões. A explicação oficial é exatamente de que o dinheiro será injetado para melhorar o Índice de Basileia do banco.

Um eventual estreitamento na possibilidade do BNDES de emprestar afetaria a principal aposta do governo para “virar” o humor na economia: o programa de concessões em infraestrutura.

Apenas em rodovias e ferrovias, o investimento previsto é de R$ 133 bilhões, dos quais R$ 79,5 bilhões ocorreriam nos próximos cinco anos. A promessa é que o banco de desenvolvimento financiará 70% dos empreendimentos – ou o equivalente a R$ 93,1 bilhões.
 

Aécio Neves apresenta conjunto de propostas para Reforma Política



Medidas como o fim da reeleição e cláusula de desempenho na reforma política proposta por Aécio diminuem poder de políticos.

O senador Aécio Neves apresentou nesta semana as propostas do PSDB para a reforma política. As propostas seguem seis prioridades: fim da reeleição e adoção do mandato de cinco anos; voto distrital misto; fim das coligações para as eleições proporcionais; redução de dois para um suplente de senador; retomada da discussão sobre cláusula de desempenho para definição de cálculo de tempo de TV e acesso ao fundo partidário; além de uma mudança da regra para concessão de tempo de TV para propaganda eleitoral.

“O PSDB está apresentando um conjunto de propostas que nós queremos que sejam debatidas e votadas no Congresso e depois submetidas a um referendo por parte da população”, antecipou Aécio.

FIM DA REELEIÇÃO E MANDATO DE CINCO ANOS: Aécio propôs o fim da reeleição para chefes do Executivo, ou seja, para presidente da República, governador e prefeito. O PSDB deverá defender ainda mandato de cinco anos para chefes do Executivo e para parlamentares. O partido proporá ainda que as eleições para governador, prefeito, deputados estaduais e vereadores sejam unificadas no mesmo ano. Já as eleições para presidente da República, deputado federal e senador seriam realizadas no ano seguinte.

“Nós do PSDB consideramos que foi válida a experiência que tivemos até aqui com o instituto da reeleição. Ele, na avaliação de alguns, trouxe alguns benefícios, mas ao longo do tempo as distorções foram se agravando. E, acho eu, que o atual governo federal desmoralizou o instituto da reeleição. No momento em que o governo deixou de governar e passou, dois anos antes do final, se preocupar exclusivamente com o processo da reeleição, com a ocupação ilimitada e desqualificada do governo com pretensos aliados futuros”, disse o senador.

VOTO DISTRITAL MISTO: Os estados seriam divididos em distritos. Uma parte dos candidatos ao Legislativo seria eleita pelo distrito, como se fosse uma eleição majoritária. A outra parte seria eleita mediante a votação em lista definida pelo partido.

FIM DAS COLIGAÇÕES PROPORCIONAIS: Nas eleições proporcionais – para deputado federal, estadual e vereador – ficam proibidas as coligações que permitem, hoje, que um candidato de um determinado partido seja eleito com votos obtidos por um candidato eleito por outra legenda coligada. Exemplo, o ex-deputado federal que recebeu 1,5 milhão de votos, além de garantir o próprio mandato, ajuda a eleger outros deputados federais de legenda diferente e que não obtiveram votações expressivas.

“O fim das coligações proporcionais, como instrumento de fortalecimento dos partidos, colocando fim à usurpação do voto por parte de candidatos que não tenham identidade com o chamado partido-mãe e acabam se elegendo com votos que não foram direcionados a eles ou às suas propostas, e em boa parte das vezes os parlamentares eleitos por uma determinada coligação têm no parlamento – seja municipal, estadual ou federal – um comportamento absolutamente desalinhado daquele parlamentar ou daquele partido majoritário que o acolheu”, frisou Aécio.

MUDANÇA NA SUPLÊNCIA PARA SENADOR: Reduz o número de suplentes para o Senado, de dois para um. Esse suplente só assumiria o cargo temporariamente, em casos de licenças temporárias do titular. Em caso de vacância definitiva, por morte, renúncia ou eleição para outro cargo, um novo titular seria eleito na eleição subsequente. Pela proposta do PSDB, ficaria proibido que o suplente seja parente até terceiro grau do titular.

CLÁUSULA DE DESEMPENHO: O PSDB pretende retomar a discussão sobre a cláusula de desempenho mínimo eleitoral, pela qual um partido deve ter um percentual mínimo de votos em uma quantidade determinada de estados para que goze de benefícios partidários, como representação na Câmara dos Deputados, indicação de líder de bancada, fundo partidário e tempo de TV, entre outros.

“O partido tem que representar um segmento da população para ter funcionamento parlamentar. Vamos discutir qual seria esse percentual. O anterior, aquele que foi aprovado pelo Congresso, falava em 5% dos votos nacionais, divididos em nove estados, com pelo menos 3%. Isso pode ser recalibrado, é uma proposta inclusive do líder do Democratas, deputado Ronaldo Caiado, que diminui um pouco essa exigência, esses percentuais, e nós estamos abertos para discutir, mas querendo a reintrodução da cláusula de desempenho”.

MUDANÇA DA REGRA PARA CONCESSÃO DE TEMPO DE TV PARA PROPAGANDA ELEITORAL: Numa eleição majoritária, seriam computados os tempos de TV dos partidos que compõem a chapa, ou seja, do candidato e seu vice.

Nenhuma dessas propostas, na avaliação do PSDB, deveria ser aplicada nas eleições de 2014. A ideia do partido é que essas mudanças passem a valer a partir de 2018.

“Serão respeitados os mandatos atuais e as perspectivas que eles geram, inclusive a perspectiva da própria reeleição”, explicou Aécio.
(fonte: Jornal Pequeno)

Envolvimento de Eike Batista com o governo do PT

Envolvimento de Eike Batista com o governo do PT pode gerar escândalo muito maior que o Mensalão

 
Confusão a caminho – As relações do governo do PT com o megaempresário Eike Batista pode ser maior do que o escândalo do Mensalão do PT, esquema de corrupção montado no governo Lula para comprar apoio de parlamentares no Congresso Nacional, cujo principal mentor, o ex-deputado e então ministro José Dirceu, foi condenado juntamente com outros parlamentares pelo Supremo Tribunal Federal. A opinião é do presidente nacional do PPS, deputado federal Roberto Freire (SP).

Freire defendeu a união dos partidos de oposição para exigir investigação em todas as instâncias cabíveis de Eike Batista e seus negócios com o governo Lula. “Pelas relações promíscuas e eivadas de corrupção, pelas facilidades com que esse empresário circulava nas hostes governistas, este escândalo poderá ser maior do que do Mensalão, nestes tempos lulopetistas. É preciso que as oposições exijam apuração deste caso”, afirmou Freire.

Ele lembrou que foi graças ao patrocínio do ex-presidente Lula que Eike Batista foi elevado a “símbolo de capitalista dos tempos de ouro do governo petista”.

O parlamentar defendeu que os contratos do empresário com a Petrobras sejam apurados, bem como o uso do BNDES (Banco de Desenvolvimento Econômico e Social) para beneficiar onze empresas do grupo EBX, de propriedade de Eike Batista, com o empréstimo de R$ 10 bilhões. “O BNDES é apenas um instrumento desse colossal escândalo que, se for apurado com rigor, poderá abalar a República”, alertou Roberto Freire.

Pimentel deve explicações

O líder do PPS na Câmara, deputado Rubens Bueno (PR), protocolou nesta segunda-feira requerimento em que cobra do ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, informações detalhadas sobre os empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) às empresas de Eike Batista. No documento, Bueno quer saber quais foram os critérios utilizados pela direção do banco para a escolha da EBX como beneficiária dos aportes, cujos recursos são provenientes do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).
(via: ucho.info)

Você sabe quanto custa cada Deputado Federal para o Brasil?

Sabia que eles recebem mais que o triplo do salário somando verbas extras como passagens aéreas, gasolina, alimentação e moradia? E tem mais.
Pois é...

 Veja o vídeo abaixo:
Agora multiplique isso pelas 513 cadeiras ocupadas na Câmara dos Deputados do Brasil - Congresso Nacional.

quarta-feira, 10 de julho de 2013

PELOTAS DEVERÁ PARAR NESTA QUINTA FEIRA





Pelotas deve aderir à paralisação nacional nesta quinta (11/07/2013)

Assembleia confirmou realização da terceira manifestação pública que dessa vez vai ocorrer junto com a mobilização nacional organizada pelas centrais sindicais

A cidade vai mesmo parar nesta quinta-feira (11), ao que tudo indica. Assembleia geral realizada no último sábado em Pelotas confirmou a realização da terceira manifestação pública, que dessa vez vai ocorrer junto com a paralisação nacional organizada pelas centrais sindicais. Ou seja, não será apenas mais um grande ato público, mas uma greve geral. Nem transporte coletivo deverá ter no dia, pois os rodoviários confirmaram participação ao movimento.

As escolas e universidades também tendem a não ter aula, pois as respectivas entidades representativas das categorias de trabalhadores definiram pela adesão. Segundo o tesoureiro do Sindicato dos Metalúrgicos, José Primeiro, a classe igualmente definiu pela participação, da mesma forma com que os trabalhadores na indústria da alimentação, comerciários, trabalhadores em postos de combustíveis e estabelecimentos de gás, Cpers-Sindicato, Sindicato dos Municipários de Pelotas (Simp) e associações dos Docentes e dos Servidores da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

A vice-presidente do Simp, Tatiana Rodrigues, ressalta que a entidade vai levar para a rua pautas específicas, como o pagamento do piso nacional para a educação, salário mínimo como inicial dos municipários e salário digno para todos os setores da prefeitura. “É um absurdo que um médico do município hoje ganhe R$ 1,2 mil”, exemplifica, ao se referir aos técnicos científicos. O presidente do Sindicato dos Rodoviários, Éder Blanck, confirma a decisão do setor, formado hoje por cerca de 1,5 mil trabalhadores, de parar tudo nesta quinta-feira. Já o Sindicato dos Bancários de Pelotas realiza nesta terça-feira (9), às 17h30min, uma plenária para definir a participação da categoria na greve.


Pauta unitária
As centrais sindicais definiram como pautas unitárias se manifestarem contra o PL 4330, da "terceirização", que em seu entendimento retira direitos dos trabalhadores brasileiros e precariza ainda mais as relações de trabalho no Brasil. Querem que as reduções de tarifa do transporte não sejam acompanhadas de qualquer corte dos gastos sociais; 10% do orçamento da União para a saúde pública, 10% do PIB para a educação pública, fim do fator previdenciário, redução da jornada de trabalho para 40 horas sem redução de salários, reforma agrária e suspensão dos leilões de petróleo.


Pautas gerais

Definidas na assembleia geral do dia 6, são estas as pautas gerais dos trabalhadores:


- Divulgação do abaixo-assinado pela derrubada do contrato - com a Ecosul

- Cumprimento da Lei Municipal que destina 30% do orçamento público na educação pública

- Tarifa zero e estatização do transporte público

- Redução imediata da tarifa do transporte público

- Contra a iniciativa privada e encampamento dos hospitais ao SUS

- Criação de lei específica municipal sobre transparência dos gastos públicos, que seja mais acessível e com fiscalização através de conselho popular

- Abertura de espaços culturais também aos finais de semanas

- Reformulação do sistema de coleta seletiva municipal

- Construção imediata de 200 leitos hospitalares

- Corte de 50% nos cargos políticos para pagamento do piso dos professores municipais

- Retirada dos horários das ciclovias

- Municipalização das concessões das rádios comunitárias

- Fim do corte de água e luz por falta de pagamento para a população pobre

- Desmilitarização da polícia e contra a repressão policial

- Contra a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh)

- Destinação de 10% do PIB para a Saúde Pública (SUS)

- Contra o pagamento da dívida externa e interna

- Democratização da Comunicação

- Investimento em Políticas Públicas de Segurança para os trabalhadores dos transportes, com especial atenção aos taxistas

- Contra o Estatuto do Nascituro

- Organização de comitês locais através de Assembleias Populares Constituintes para a população decidir o tipo de governo, como alternativa ao plebiscito

- Terra para a população indígena

- Reforma Agrária feita pelos trabalhadores

- Contra a criminalização dos Movimentos Sociais

- Melhorias na iluminação pública

- Contra o Ato Médico

- Contra a corrupção

- Fim da concessão da iniciativa privada na educação

- Fim das concessões de telefonia

- Estímulo ao transporte ferroviário. Construção de linha ferroviária entre Pelotas e Rio Grande

(Por: Tânia Cabistany - Diario Popular)

terça-feira, 9 de julho de 2013

7 Benefícios da Banana

Não só pelo seu rico sabor e fácil acesso, mas também pelos seus muitos benefícios para a saúde, a banana é uma fruta que NÃO pode faltar na sua dieta. Ajuda a combater a depressão, inúmeras doenças e otimiza o funcionamento do nosso cérebro. Por isso e muito mais vamos mostrar os benefícios da banana.

Ajuda a prevenir o câncer

Estudos dizem que a banana contém uma substância química natural que ajuda a prevenir vários tipos de câncer.

Pressão arterial baixa

Se você sofre de pressão arterial elevada, a banana é a fruta ideal porque ajuda a baixar a pressão. Está provado que apenas duas bananas por dia pode diminuir sua pressão.

Açúcar necessário

A coisa boa é que a banana é doce, mas contêm apenas açúcar natural. É uma ótima opção para os amantes de doces, e seus os seus nutrientes poderosos a torna um super alimento saudável. Você pode comer sem culpa!

Ela ajuda a relaxar

Acredite ou não, a banana contém uma proteína que o corpo converte em serotonina para ajudá-lo a relaxar e desestressar.

Livre de gordura e colesterol

As bananas não contêm gordura ou colesterol. As bananas amassadas é um substituto ideal para a manteiga ao fazer cookies, para torná-los muito mais saudável.

Grande fonte de potássio

As bananas contêm um elevado teor de potássio. O potássio é bom para o bom funcionamento dos músculos e nervos e mantém um saudável equilíbrio de fluidos no organismo.

Contém vitaminas


As bananas também tem um elevado teor de vitamina. A vitamina C, que contêm nas bananas, ajuda a reforçar o sistema imunitário e ajuda na absorção de outros nutrientes, como o ferro. Enquanto a vitamina B-6, também presente nesta fruta, ajuda o organismo a criar novas células. Uma banana contém 35% de vitamina B-6 exigido diariamente.

As bananas também contêm fibras e pode ajudar a diminuir a temperatura corporal em caso de febre, ajuda a aliviar náuseas, são um antiácido natural e também fornece cálcio.

ESTOU DO LADO DO LULA

Não resisti e tive que compartilhar de uma página do faceboock - hehehe.

 
ESTOU DO LADO DO LULA
Não sei quem escreveu. Só sei que, seja quem for, é GENIAL, inclusive com os trocadilhos.
CONFIRA!!! Além de melhorar o humor,você pode realimentar sua IRA CÍVICA...

1) Hoje, refletindo sobre o efeito do nada, sobre o porra nenhuma, me dei conta de que o Brasil é o único país do mundo que foi:s

a) governado por um alcoólatra que instituiu uma lei seca;
b) um semi-analfabeto que assinou uma reforma ortográfica;
c) Um semi-analfabeto que tem um filho formado em porra nenhuma, mas que é o gênio das finanças;
d) Um semi-analfabeto que recebeu o título de "doutor honoris causa" de 5 Universidades brasileiras;
e) Um semi-analfabeto que cobra US$ 20.000,00 por palestra (sobre qualquer assunto, a escolher) no exterior;
d) que teve a cara de pau de pedir a Deus para dar INTELIGÊNCIA a Barack Obama, que é formado em Harvard.

2) Considerando o acima exposto e depois de muito refletir, EU TINHA QUE MUDAR DE LADO.

-Resolvi ficar ao lado de Lula. Que me desculpem os meus amigos e, por favor, não me critiquem, nem mandem e-mails indignados. Antes, reflitam melhor sobre a situação atual. Tenho certeza que também ficarão ao lado do Lula ...

-Afinal, se eu ficar atrás... ele me caga e se eu ficar na frente... ele me fode. Portanto, a melhor opção é ficar ao lado dele.

ENQUANTO ISSO, ESPERO E SONHO QUE TUDO VOLTE AO NORMAL.

3) Será o dia em que:

ARRUDA será uma simples plantinha pra espantar mau-olhado;
GENUÍNO será algo verdadeiro;
GENRO apenas o marido da filha;
SEVERINO apenas o porteiro do prédio;
FREUD voltará a ser só o criador da Psicanálise;
LORENZETTI será só uma marca de chuveiro;
GREENHALGH voltará a ser um almirante que participou de nossa história;
CACHOEIRA será apenas um lindo acidente geográfico criado pela natureza;
CABRAL será apenas um longínquo e antigo navegador português que descobriu o Brasil;
MARCONI será apenas um genial cientista que inventou o radio
DEMÓSTENES será apenas um filósofo e brilhante orador grego; 
e
LULA APENAS UM FRUTO DO MAR!!!
Dirceu, Palloci, Delúbio, Silvio Pereira, Berzoini, Gedimar, Luiz Paulo Cunha, Valdebran, Bargas, Expedito Veloso, Gushiken, Renan, Arruda, Cachoeira, Genuíno, Lula, etc, serão simples... presidiários...

4) Finalmente, quando olho meu título de eleitor velhinho, coitado, sempre usado desde 1988 e vejo o Lula aliado ao Collor e, pasmem, na defesa da vida ilibada dos Sarneys, e, finalmente, aliado de Malluf, concluo que agora entendo o verdadeiro significado do nome 'ZONA ELEITORAL' escrito nele.

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Contra as tramóias da direita: sustentar a Dilma Roussef




É notório que a direita brasileira especialmente aquela articulação de forças que sempre ocupou o poder de Estado e o tratou como propriedade privada (patrimonialismo), apoiada pela mídia privada e familiar, estão se aproveitando das manifestações massivas nas ruas para manipular esta energia a seu favor. A estratégia e fazer sangrar mais e mais a Presidenta Dilma e desmoralizar o PT e assim criar uma atmosfera que lhes permite voltar ao lugar que por via democrática perderam.

Se por um lado não podemos nos privar de críticas ao governo do PT (e voltaremos ao tema), mas críticas construtivas, por outro, não podemos ingenuamente permitir que as transformações político-sociais alcançadas nos últimos 10 anos sejam desmoralizadas e, se puderem, desmontadas por parte das elites conservadoras. Estas visam a ganhar o imaginário dos manifestantes para a sua causa que é inimiga de uma democracia participativa de cariz popular.

Seria grande irresponsabilidade e vergonhosa traição de nossa parte, entregar à velha e apodrecida classe política aquilo que por dezenas de anos temos construido, com tantas oposições: um novo sujeito histórico, o PT e partidos populares, com a inserção na sociedade de milhões de brasileiros. Esta classe se mostra agora feliz com a possibilidade de atuar sem máscara e mostrando suas intenções antes ocultas: finalmente, pensa, temos chance de voltar e de colocar esse povo todo que reclama reformas, no lugar que sempre lhe competiu historicamente: na periferia, na ignorância e no silenciamento. Aí não incomoda nem cria caos na ordem que por séculos construimos mas que, se bem olharmos, é ordem na desordem ético-social.

Esta pretensão se liga a algo anterior e que fez história. É sabido que com a vitória do capitalismo sobre o socialismo estatal do Leste europeu em 1989, o Presidente Reagan e a primeira ministra Tatscher inauguraram uma campanha mundial de desmoralização do Estado, tido como ineficiente e da política como empecilho aos negócios das grandes corporações globalizadas e à lógica da acumulação capitalista. Com isso visava-se a chegar ao Estado mínimo, debilitar a sociedade civil e abrir amplo espaço às privatizações e ao domínio do mercado, até conseguir a passagem de uma sociedade com mercado para uma sociedade de puro mercado no qual tudo, mas tudo mesmo, da religião ao sexo, vira mercadoria. E conseguiram. O Brasil sob a hegemonia do PSDB se alinhou ao que se achava o marco mais moderno e eficaz da política mundial. Protagonizou vasta privatização de bens públicos que foram maléficos ao interesse geral.

Que isso foi uma desgraça mundial se comprova pelo fosso abissal que se estabeleceu entre os poucos que dominam os capitais e as finanças e a grandes maiorias da humanidade. Sacrifica-se um povo inteiro como a Grécia, sem qualquer consideração, no altar do mercado e da voracidade dos bancos. O mesmo poderá acontecer com Portugal, com a Espanha e com a Itália.

A crise econômico-financeira de 2008 instaurada no coração dos países centrais que inventaram esta perversidade social, foi consequência deste tipo de opção política. Foram os Estados que tanto combateram que os salvaram da completa falência, produzida por suas medidas montadas sobre a mentira e a ganância (greed is good), como não se cansa de acusar o prêmio Nobel de economia Paul Krugman. Para ele, estes corifeus das finanças especulativas deveriam estar todos na cadeia como criminosos. Mas continuam aí faceiros e rindo.

Então, se devemos criticar a nossa classe política por ser corrupta e o Estado por ser ainda, em grande parte, refém da macroeconomia neoliberal, devemos fazê-lo com critério e senso de medida. Caso contrário, levamos água ao moinho da direita. Esta se aproveita desta crítica, não para melhorar a sociedade em benefício do povo que grita na rua, mas para resgatar seu antigo poder político especialmente, aquele ligado ao poder de Estado a partir do qual garantia seu enriquecimento fácil. Especialmente a mídia privada e familiar, cujos nomes não precisam ser citados, está empenhada fervorosamente neste empreitada de volta ao velho status quo.

Por isso, as demonstrações devem continuar na rua contra as tramoias da direita. Precisam estar atentas a esta infiltração que visa a mudar o rumo das manifestações. Elas invocam a segurança pública e a ordem a ser estabelecida. Quem sabe, até sonham com a volta do braço armado para limpar as ruas.

Dai, repetimos, cabe reforçar o governo de Dilma, cobrar-lhe, sim, reformas políticas profundas, evitar a histórica conciliação entre as forças em tensão e o oposição para juntas novamente esvaziar o clamor das ruas e manterem um status quo que prolonga benefícios compartilhados.

Inteligentemente sugeriu o analista político Jeferson Miolo em Carta Maior (07/7/2013):”Há uma grave urgência política no ar. A disputa real que se trava nesse momento é pelo destino da sétima economia mundial e pelo direcionamento de suas fantásticas riquezas para a orgia financeira neoliberal. Os atores da direita estão bem posicionados institucionalmente e politicamente…A possibilidade de reversão das tendências está nas ruas, se soubermos canalizar sua enorme energia mobilizadora. Por que não instalar em todas as cidades do país aulas públicas, espaços de deliberação pública e de participação direta para construir com o povo propostas sobre a realidade nacional, o plebiscito, o sistema político, a taxação das grandes fortunas e do capital, a progressividade tributária, a pluralidade dos meios de comunicação, aborto, união homoafetiva, sustentabilidade social, ambiental e cultural, reforma urbana, reforma republicana do Estado e tantas outras demandas históricas do povo brasileiro, para assim apoiar e influir nas políticas do governo Dilma”?

Desta forma se enfrentarão as articulações da direita e se poderá com mais força reclamar reformas políticas de base que vão na direção de atender a infraestrutura reclamada pelo povo nas ruas: melhor educação, melhores hospitais públicos, melhor transporte coletivo e menos violência na cidade e no campo.

(Leonardo Boff não é filiado ao PT, é teólogo e escritor, da Comissão da Carta da Terra)

MOCOTÓ A MODA GAÚCHA

Mocotó é uma palavra de origem tupi-guarani que quer dizer mão-de-vaca e que se tornou um prato conhecido no Brasil. No Rio Grande do Sul é um prato típico do inverno. Este prato teria surgido lá em Portugal com o nome de caldo de mocotó, feito somente com o mocotó das patas. Nos pampas gaúcho, surgiu nas charqueadas. Quando os coronéis matavam uma rês, deixavam de fora as patas e os miúdos. Então os escravos aproveitavam, lavavam tudo muito bem e colocavam para ferver formando um caldo muito nutritivo. 
A receita aqui no sul é a seguinte:
Esta receita deve ser feita um dia antes,para dar tempo de cozinhar tudo.

Ingredientes-
2 patas bem limpas
2 k de mondongo
1 tripa grossa
1/2 k de linguiça de porco
1/2 k de feijão branco
2 colheres de óleo
2 cebolas picadas
sal e pimenta preta a gosto
4 ovos 
1 maço de tempero verde.
1 colher de massa de tomate
3 limões maduros

Modo de fazer-
Coloque as patas numa panela de pressão com água que as tape e deixe mais ou menos 45 min.
Retire as patas e vá tirando o mocotó, reserve
Coloque em um recipiente água com caldo do limão, as tripas e o mondongo de molho, deixe 20 min.
Cozinhe na pressão o feijão branco, prévimente colocado de molho.
No dia de servir, coloque numa panela grande, o óleo, com a cebola deixe dar uma fritada.
Coloque o mocotó, a tripa grossa cortada e o mondongo também cortado em cubos, deixe dar uma fritada.
Coloque a seguir o feijão. Tempere e deixe ferver até ficar um caldo bem grosso.
Quando estiver quase pronto, coloque a massa de tomate, a linguiça cortada em pedaços e deixe ferver. Se preciso pode colocar água quente para não grudar no fundo da panela.
Cozinhe os ovos e pique bem.
Quando o mocotó estiver pronto coloque o ovo picado e o tempero verde picado.
O ovo picado e  tempero verde tambem podem ser servidos a parte, em outra tigela.
Servem de acompanhamento torradas ou fatias de pão.


(fonte: Receita de  VERA MARIA - Somos do Sul)

sábado, 6 de julho de 2013

Brasil sobe no Ranking da FIFA e volta a estar entre as TOP 10 seleções


(Por Charley Gima)

Uma conquista de título realmente lava a alma e levanta os ânimos! O Brasil que o diga!

Após passar por momentos constrangedores no ranking das melhores seleções da FIFA, a Seleção Brasileira ocupa agora a nona posição, voltando a figurar entre as 10 melhores seleções do planeta! Mesmo assim ainda está atrás da Croácia, Portugal, Itália, Holanda, Argentina, Colômbia, Alemanha e Espanha

Veja abaixo quem faz parte deste TOP 10 no Ranking FIFA de Seleções: 


1 – Espanha: 1.532 pontos. 


2 – Alemanha: 1.273 pontos. 


3 – Colômbia: 1.206 pontos 


4 – Argentina: 1.204 pontos 


5 – Holanda: 1.180 pontos 


6 – Itália: 1.142 pontos 


7 – Portugal: 1.099 pontos 


8 – Croácia: 1.098 pontos 


9 – Brasil: 1.095 pontos 


10 – Bélgica: 1.079 pontos
Curta a Fanpage FuteRock: https://www.facebook.com/FuteRock

74% dos brasileiros querem prisão imediata de condenados no mensalão, diz Datafolha

Fonte: Folha de São Paulo

Pesquisa do Datafolha apontou que 74% dos brasileiros querem que os réus condenados no processo do mensalão sejam presos imediatamente.

Até mesmo entre os entrevistados que disseram ter o PT como partido de preferência o percentual de respostas favoráveis à imediata execução das penas aplicadas pelo STF (Supremo Tribunal Federal) foi alto –coincidiu com o índice geral da pesquisa de 74%.

O julgamento do mensalão foi concluído em dezembro passado e os réus apresentaram recursos contra as condenações. Cabe agora ao relator do caso, o ministro Joaquim Barbosa, marcar a data para o início da análise das apelações pelo plenário do STF.

Segundo o entendimento dos ministros da corte, as prisões dos condenados só poderão ocorrer depois que se esgotarem as possibilidades de apresentação de recursos, o que na linguagem jurídica recebe o nome de “trânsito em julgado”.

O levantamento feito pelo Datafolha nos dias 27 e 28 de junho apontou que para 14% dos entrevistados pode ter havido injustiça no caso e os réus merecem um novo julgamento. O índice de pessoas que não souberam responder à questão do instituto de pesquisa sobre a situação dos réus foi de 12%.

As maiores taxas de manifestações favoráveis à prisão imediata dos condenados foram apuradas entre os entrevistados que declararam preferir o PV (83%), o PSDB (77%), o PT (74%) e o PMDB (74%).

Entre aqueles que disseram considerar que os réus merecem um novo julgamento, destacaram-se os entrevistados que afirmaram ter como partidos de preferência o PTB (29%), o PSB (24%), o PMDB (19%) e o PT (18%).

O Datafolha realizou 4.717 entrevistas em 196 municípios. A margem de erro máxima da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.
13182194

Jarbas Vasconcelos denuncia – Renan Calheiros não quer votar proposta contra a corrupção que o retiraria do Senado



Fonte: Uol Notícias

O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB/PE) cobrou de Renan Calheiros, atual presidente do Senado, a votação da PEC 18, relativamente “esquecida” e que, se aprovada, retiraria Renan da presidência do Senado. 

Segundo relatado por Josias de Souza, A PEC 18 – Proposta de Emenda Constitucional – prevê que congressistas denunciados ao STF por crimes contra a administração pública sejam impedidos de ocupar postos de comando nas Mesas diretoras, nas comissões, nos conselhos de ética e nas lideranças do Senado e da Câmara.

Tendo em vista que Renan Calheiros foi denunciado ao STF pelo procurador-geral da República Roberto Gurgel em fevereiro deste ano, a própria presidência de Renan seria inviabilizada. 

Para Jarbas, o Senado tem de, para sanar a dívida com as ruas, aprender “a cortar na própria carne, sem apelos ao corporativismo, sem permitir que a impunidade continue sendo um caminho aberto para a corrupção e os desvios de conduta de quem atua na vida pública”. O senador mencionou, também, o caso de mensaleiros condenados – José Genoino e João Paulo Cunha – que ainda permanecem no legislativo. 

Renan Calheiros é alvo de críticas e oposição, por manifestantes, tendo em vista seu envolvimento em casos de corrupção. No início do ano, petições contra a sua posse como presidente do Senado receberam mais de 2 milhões de assinaturas, o que culminou, também, em manifestações por todo o Brasil e exterior. 

O que acham? Será que Renan vai aceitar colocar em votação uma proposta que o tiraria de seu cargo?
Será que os manifestantes vão chamar atenção pra esse fato, ou será que irão continuar festejando todas as propostas de melhorias que estes indivíduos estão fazendo?
(por Liberdade Econômica)

Ser revolucionário, em si mesmo, é ser vítima de uma conspiração



Fonte: Direitas Já
A tragicomédia do revolucionário é que -em sua imperiosa necessidade de retaliação, de vingança, de ressentimento- fabula conspirações onde não existem, encontra “ovelhas” em todas as partes, e ansia que a natureza se adapte ao seu igualitário e míope sentido de justiça. Isto, ignorando que:
Ser revolucionário, em si mesmo, é ser vítima de uma conspiração. O ideal, por ser ideal, não é real nem realizável.

Na lida contra a cegueira da humanidade, o revolucionário desconhece a história universal, o rigor filosófico, as ciências econômicas, a técnica científica, a biologia; e todos os fatores que poderiam, ironicamente, tirá-lo da cegueira emocional e explicar-lhe porque, de forma natural, o mundo é como é.


A justiça não existe em si mesma. A igualdade não existe em si mesma. E se há uma convenção humana de igualdade, não é possível formar, ao mesmo tempo, uma convenção humana de justiça; e vice-versa.

Por ser um flagelo emocional, e não de inteligência, a humanidade nunca se livrará do revolucionário, assim como ninguém se livrará do primeiro amor e da primeira decepção. É um assunto da juventude, de ingenuidade de espírito. Por sorte, a vida, por si só, ensina os meninos a ser homens.
 (por Jefferson Ulisses)

quinta-feira, 4 de julho de 2013

TÁ ESCRITO - Grupo Revelação

Compositor: (Xande De Pilares; Gilson Bernini; Carlinhos Madureira)

 
Quem cultiva a semente do amor
Segue em frente não se apavora
Se na vida encontrar dissabor
Vai saber esperar sua hora (2x)

Às vezes a felicidade demora a chegar
Aí é que a gente não pode deixar de sonhar
Guerreiro não foge da luta e não pode correr
Ninguém vai poder atrasar quem nasceu pra vencer

É dia de sol mas o tempo pode fechar
A chuva só vem quando tem que molhar
Na vida é preciso aprender se colhe o bem que plantar
É Deus quem aponta a estrela que tem que brilhar

Erga essa cabeça mete o pé e vai na fé
Manda essa tristeza embora
Pode acreditar que um novo dia vai raiar
Sua hora vai chegar (2x)

Link: http://www.vagalume.com.br/grupo-revelacao/ta-escrito.html#ixzz2Y7juAoea

MANÁ - Labios Compartidos...




Amor mio
Si estoy debajo del vaivén de tus piernas
Si estoy hundido en un vaivén de caderas
Esto es el cielo, es mi cielo

Amor fugado
Me tomas, me dejas, me exprimes y me tiras a un lado
Te vas a otro cielo y regresas como los colibris
Me tienes como un perro a tus pies

Otra vez mi boca insensata
Vuelve a caer en tu piel
Vuelve a mi tu boca y provoca
Vuelvo a caer de tus pechos a tu par de pies

Labios compartidos
Labios divididos mi amor
Yo no puedo compartir tus labios
Y comparto el engaño
Y comparto mis dias y el dolor
Ya no puedo compartir tus labios
Oh amor oh amor compartido

Amor mutante
Amigos con derecho y sin derecho de tenerte siempre
Y siempre tengo que esperar paciente
El pedazo que me toca de ti
Relampagos de alcohol
Las voces solas lloran en el sol
Mi boca en llamas torturada
te desnudas ángel hada luego te vas

Otra vez mi boca insensata
Vuelve a caer en tu piel de miel
Vuelve a mi tu boca duele
Vuelvo a caer de tus pechos a tu par de pies

Labios compartidos
Labios divididos mi amor
Ya no puedo compartir tus labios
Que comparto el engaño y comparto mis dias y el dolor
Ya no puedo compartir tus labios
Que me parta un rayo
Que me entierre el olvido mi amor pero no puedo mas
Compartir tus labios compartir tus besos
Labios compartidos

Te amo con toda mi fe, sin medida
Te amo aunque estes compartida
Tus labios tienen el control

Te amo con toda mi fe, sin medida
Te amo aunque estes compartida
Y sigues tu con el control

Link: http://www.vagalume.com.br/mana/labios-compartidos.html#ixzz2Y7YLwkvL

Não entenderam

por Merval Pereira
O Globo - 04 Jul 2013 
Nada ilustra mais exemplarmente o que as ruas estão criticando do que o uso de um avião da FAB para trazer ao Rio no último fim de semana parentes e amigos do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, para assistirem ao jogo do Brasil na final da Copa das Confederações. Ele desculpou-se, admitindo que errara ao dar carona a parentes, mas alegando ter direito a avião da FAB porque teria um almoço de trabalho com o prefeito do Rio, Eduardo Paes.

Ora, Alves não precisava de avião da FAB para vir ao Rio, pois tem direito a passagens pela Câmara e, sobretudo, é um homem rico. Admitir o erro já é um avanço, e restituir o dinheiro, uma necessidade. Mas o fato de a viagem ter se realizado em meio à convulsão das ruas agrava o desvio, mostrando que políticos como o presidente da Câmara não entenderam nada do que está acontecendo no país.

Mais do que reformas políticas, mais do que plebiscitos ou Constituintes, o que o clamor das ruas pede é uma nova postura de nossos homens públicos, uma nova maneira de se relacionar com a coisa pública. Em vez de uma reforma política proposta como a solução mágica para os problemas, o que o povo quer é mais eficiência e transparência no gasto público de todos os que têm mandato.
 
O presidente do Senado, Renan Calheiros, depois de se fazer de cego diante de um abaixo assinado com mais de 1,5 milhão de assinaturas que pediam a sua saída da presidência, diz que é preciso ouvir o povo nas ruas. E chegou a propor que, se o povo quisesse, o prazo de um ano antes das eleições para fazer mudanças nas regras eleitorais poderia ser alterado. Uma posição irresponsável para conseguir o apoio daqueles que o querem fora do poder.

Os novos meios de comunicação, como as redes sociais, estão demonstrando outras utilidades além de promover manifestações nas ruas do país. É através deles que temos sido notificados das falcatruas que nossos homens públicos praticam, e isso não apenas por denúncias de fatos testemunhados, mas também pelo exibicionismo que esses meios incentivam.

Foi através de uma foto no Instagram que se descobriu que a família Alves estava no Maracanã, assim como, anos atrás, foi pelo Orkut que em 2004 soube-se que o filho do então presidente Lula, Luís Cláudio Lula da Silva, organizou uma excursão de amigos ao Alvorada, com direito a uso de um avião da FAB para transportá-los a Brasília e passeio de lancha oficial pelo Lago Paranoá. Várias mensagens foram postadas nos blogs com fotos posadas ao lado do avião e na lancha.

No governo Fernando Henrique Cardoso, longe ainda dos Facebooks da vida, a farra com jatos da FAB foi um dos principais escândalos, denunciado pelos jornais. Pelo menos seis ministros, um procurador-geral da República e um deputado usaram aeronaves da FAB para ir com as famílias, de férias, para o paradisíaco arquipélago de Fernando de Noronha. A "farra dos jatinhos", como ficou conhecido o episódio, gerou processos, e os políticos foram condenados a ressarcir os gastos.

É cada vez mais comum entre nós a ideia de que o que é público pode ser usado pela autoridade da ocasião como se seu fosse, sem que se faça a ligação entre os gastos públicos e a falta de investimentos no que realmente importa, como alerta o povo nas ruas: educação, saúde, transportes urbanos, segurança pública.

Erro de poeta
A nota oficial do TSE sobre o plebiscito atribui o verso "Cuidado por onde andas, pois é sobre meus sonhos que caminhas" a Carlos Drummond de Andrade, mas o crítico literário e poeta Antonio Carlos Secchin, da Academia Brasileira de Letras, garante que Drummond, uma de suas especialidades, não é o autor. Na verdade, a autoria é do poeta inglês W.B. Yeats (1865-1939), como vários leitores me avisaram.
"Espalhei meus sonhos aos seus pés. Caminhe devagar, pois você estará pisando neles".
"I have spread my dreams under your feet; Tread softly because you tread on my dreams." - "Later poems", página 41 - William Butler Yeats - Forgotten Books, 1924.

Os pontos-chave
1 - Nada ilustra mais exemplarmente o que as ruas estão criticando do que o uso de um avião da FAB para trazer ao Rio parentes e amigos do presidente da Câmara, para assistirem à final da Copa das Confederações.

2 - Mais do que reformas políticas, plebiscitos ou Constituintes, o que o clamor das ruas pede é uma nova postura de nossos homens públicos.

3 - É comum a ideia de que o que é público pode ser usado pela autoridade da ocasião como se seu fosse, sem que se faça ligação entre os gastos e a falta de investimentos em educação, saúde, transportes, segurança.

Manobra do plebiscito é inviável

O Globo - 04 Jul 2013


Surgido do fracasso do projeto lulopetista da "Constituinte exclusiva", por inconstitucional, o remendo do plebiscito sobre uma reforma política vai pelo mesmo caminho - como se prevê desde o anúncio deste "plano b" elaborado às pressas para salvar a face do partido, manter o Congresso sob pressão e servir de escudo ao governo diante das ruas.


A resposta formal da ministra Cármen Lúcia, do Supremo, no momento à frente do Tribunal Superior Eleitoral, dada à consulta da presidente da República, desenhou o mapa do caminho para o engavetamento da ideia pelo Congresso. Onde, por sinal, esta consulta popular mal-ajambrada transita cada vez com mais dificuldades, por motivos lógicos. Em linhas gerais, há obstáculos insuperáveis de duas ordens: de tempo e em relação ao conteúdo da consulta, ambos condicionados a preceitos constitucionais.

No Congresso, houve quem, voluntariosamente, propusesse quebrar a regra da anualidade para viabilizar o capricho planaltino. Impossível, explicou a serena Cármen Lúcia, porque a regra do prazo-limite de um ano antes das urnas para validar mudanças na legislação eleitoral é parte das cláusulas pétreas da Carta. Não podem ser mudadas, sequer por emenda constitucional. Só em golpe de Estado.


Assim, considerando-se os 70 dias fixados pelo TSE, depois de ouvir todos os tribunais regionais, para a consulta ser realizada, ela ocorrerá, na melhor hipótese, em 8 de setembro. Como o prazo legal para a promulgação das novas regras vencerá em 5 de outubro - a um ano das eleições -, deputados e senadores contarão com menos de um mês para metabolizar o resultado do plebiscito, transformá-lo em projetos, discuti-los, emendá-los ou não, e aprová-los. Só em velocidade supersônica.


E o relógio já foi disparado, pois os 70 dias fixados pela Justiça para montar uma enorme e custosa infraestrutura - programar e distribuir 500 mil urnas eletrônicas em pouco mais de 5.500 municípios etc. - são contados a partir de segunda-feira, 1º de julho. O outro obstáculo - o conteúdo da consulta - parece também insuperável. A obscuridade do tema está refletida nos itens sugeridos pela presidente Dilma ao Congresso, a quem cabe formular as questões do plebiscito: "misto restrito" (financiamento de campanha), "distrital puro" (sistema eleitoral), e por aí vai.

A ministra Cármen Lúcia, na nota do TSE, é objetiva e clara: "(...) a Justiça Eleitoral não está autorizada constitucional e legalmente a submeter ao eleitorado consulta sobre cujo tema ele não possa responder ou sobre o qual não esteja prévia e suficientemente esclarecido (...)." Quanto tempo será necessário para tornar o eleitorado "suficientemente esclarecido" sobre assuntos que para a grande maioria parecem falados em língua extraterrestre? É sensato concluir que o tema não é adequado para plebiscitos. Talvez um referendo, e em 2016.