Pesquisar este blog

sexta-feira, 27 de julho de 2012

70 ANOS DO PAULISTA F. C.

 História do Clube

Em principio de 1942, Fernando Martins, Ramão Abeijon, Francisco Coutinho, João Broxides e Jorge Garcias, procuraram Manoel Ribeiro Fonseca Sob para formar uma equipe de futebol. Este foi o ponto de partida para a fundação do Clube, a partir daquele encontro surgiu a primeira reunião, e de imediato foram tomadas as medidas necessárias para registrar o clube, fazer estatutos, escolher o nome clube e foi formada a primeira diretoria composta por: Fernando Martins como presidente; Manoel Ribeiro Fonseca Sob, primeiro vice-presidente; Francisco Coutinho, primeiro tesoureiro, Breno Manjorane, segundo tesoureiro; Ramão Abeijon, capitão geral (como era chamado o técnico naquela época) e João Broxides (guarda-esporte, atualmente corresponde a atividade de roupeiro).
O próximo passo foi a escolha do nome da equipe que estava sendo formada. Alguns nomes como Palestra Itália, que naquela época existia em São Paulo, mas este foi mudado para Palmeiras por motivo da 2ª Guerra Mundial, foram sigeridos, mas não foi possível porque já tinha uma equipe em Pelotas com este nome, assim, foi resolvido reerguer o nome de um clube que muito daqueles que estavam presente tinham participado como atletas que era o Paulista e assim foi aclamado por todos, sendo fundado o Paulista Futebol Clube com as mesmas cores do antigo, vermelho e preto. Uma sede foi alugada, na rua Marques Caxias nº 566 hoje Santos Dumont.
Diversos novos diretores se integraram ao projeto como: Dirceu Martins, Ângelo Leonarte, João Bernardes, Antônio Nadal Filho, Wilson L. Moreira, Antônio Fonseca Carvalho, José Sinclair Abreu, Joaquim V. Lopes, Fernando Castro, Vicente Carvalho, Norberto Sacco, Luis Carlos Salton, José Pedreira, Fernando Couto, Wilson Santos, Jaime Couto, José Damaceno Fontoura, Cidalgo Corrêa, Luiz Broxides, Benito Amatto, Ariano Lima, Aldrovando Loureiro, Luiz Carlos Nunes, José Amatos, Mário Amatos, Luiz Custódio, José Weíkamp, Carlos Carvalho, Luiz Carlos Barreto, Airton B. Santos, Ubirajara I. C. Torres, Deoclecio Brum, Paulo S. Pereira, José Magalhães, Adão Argoud, Guaraci dos Santos, Jorge Saraiva e Gilberto Gusmão Souza.
Em 1959, com Wilson Moreira na presidência, foi construída a primeira sede do Clube em madeira e teve como operários; jogadores, associados, diretores e colaboradores. Mais tarde, por intermédio de Manoel Ribeiro Fonseca e com a colaboração do prefeito da época, Mario Meneguetti, foi construída uma nova sede com base em cimento, na Rua General Argolo nº 721 ao lado do ginásio Pelotense.
Antes do atual endereço, o Paulista ainda esteve na Rua Barão de Azevedo Machado, depois para Vila Castilhos, Senador Mendonça e Dr. Amarante. Para o empreendimento mais audacioso, a direção adquiriu um terreno para a construção do seu ginásio. Para a arrecadação dos valores necessários, foram lançados títulos elaborados e comercializados por Wilson Moreira. Desta forma foi adquirido o terreno na Rua Pinto Martins, 846, e num primeiro momento, foi construída uma cancha descoberta de cimento. Sob a presidência de Rui Castro, foi iniciada a construção do ginásio até hoje, carinhosamente chamado de Gigantinho da Zona Norte, inaugurado no dia 27 de julho de 1976.


Em 1962, com o comando de Ubirajara Torres, o Paulista conquistou o seu principal título pela categoria adulto. Com uma vitória por 5 a 2 no último confronto do Estadual daquele ano, chegou a conquista da Competição. O grupo era composto por Joãozinho, Zé Clóvis, Beto, Careca e Paulo Roberto. Agachados: Miguel Rocha, Darci, Pedalão, Paulinho e Paquito.


História, títulos e formação de craques estão no contexto Rubro-Negro
Uma das equipes mais tradicionais do futsal gaúcho, o Paulista Futebol Clube é uma das poucas equipes no estado a conquistar o título gaúcho em todas as categorias o Clube se mantém em atividade e disputando a principal competição gaúcha em quatro categorias: Iniciação; Pré-mirim, Mirim e Infantil. Além disso, a equipe adulta do Clube representa a cidade de Pelotas na taça Zona Sul de Futsal que envolve 16 municípios da região sul do Estado.
O rubro-negro da Zona Norte como é conhecido, caracteriza-se pela formação de atletas que ganharam o mundo atuando por grandes equipes do futebol mundial. Craques que já vestiram a camisa da Seleção Brasileira iniciaram no Paulista. Como Emerson Rosa que atuou pelo Grêmio, Bayer-Leverkusen, Roma, Juventus, Real Madrid, Milan e encerrou a carreira no ano passado, por lesão, atuando no Santos. Pela Seleção Brasileira, foi vice-campeão mundial em 1998 e seria o capitão da Seleção Brasileira Campeã de 2002 se não tivesse se machucado durante um treinamento poucos dias antes da Copa. Pelo Paulista Emerson, conquistou dois títulos estaduais pelo categoria Mirim em 1987 e 1988 e ficou na segunda colocação do Brasileiro em 1988 pela mesma categoria.


Daniel Carvalho também iniciou no rubro-negro, jogou no Internacional, no CSKA da Rússia quando conquistou o título da Copa da UEFA em 2005 e foi escolhido o melhor da decisão contra o Sporting em Lisboa, atualmente o meia está no Atlético-MG. Carvalho foi campeão mundial Sub-20 em 2003 e, quando Dunga assumiu o comando da Seleção principal convocou o meia em diversas oportunidades, porém, algumas lesões atrapalharam a sua sequência na Seleção. No rubro-negro conquistou o Estadual de 1995, pela categoria Mirim. Na mesma equipe estavam Duda Grigolletti e Diegão que defendem a equipe da UCPel no Estadual.
Além deles, outros jogadores tem ganhado destaque no cenário nacional, o volante Juliano Pacheco, atualmente no Inter já foi convocado para Seleção Brasileira Sub-17 e fez parte da equipe pré-mirim do Paulista que conquistou o Estadual em 2000, Titi, zagueiro do Bahia, foi campeão brasileiro sub-20 pelo Internacional e Rodrigo Cunha, atualmente no Internacional, com passagem pelas seleções brasileiras de base. O garoto Charles Teixeira que foi artilheiro da equipe no Estadual pré-mirim em 2007, transferiu-se para o Grêmio. Felipe Peres e Erick Farias, campeões estaduais pelo Clube em 2010, também foram para o Tricolor da Capital. Além disso, os garotos do Pré-mirim, Nicolas Gonçalves, artilheiro do Estadual Iniciação em 2009, e Nicolas Ienczczak, destaque do Estadual em 2010, ainda como primeiro ano de Pré-Mirim, defendem o Internacional.
Recentemente nos mandatos dos presidentes José Augusto Carvalho, Gilmar Prestes e Sulmar Carvalho foi realizada uma grande obra de reforma da quadra do Paulista com a troca do piso e ampliação da quadra, além da troca de todo sistema de iluminação, desta forma, o ginásio do Clube está habilitado a receber qualquer jogo oficial, atendendo todas as exigências da CBFS (Confederação Brasileira de Futsal). A atual gestão, liderada pelo presidente Ângelo Freitas, segue investindo forte no patrimônio do rubro-negro.
(André Müller – assessoria de imprensa do Paulista Futebol Clube - paulistafutebolclube.com.br)

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Campeonato do Clube E.Gonzaga 2012

FESTA DE PREMIAÇÃO DO ESPORTE - 2012

No sábado dia 21 de Julho o Clube Gonzaga realizou a festa de premiação do Campeonato Diurno 2012 "Seu Gonzaga" .
 O campeonato teve a participação de mais de cem sócios atletas inscritos e distribuidos entre nove equipes: Santos, Cruzeiro, Vasco, Internacional, Grêmio, Palmeiras, Atlético Mineiro, Flamengo e Fluminense. 

E os premiados foram:

Goleiro Menos Vazado: Dado

 Artilheiro da Competição: Quenn

CAMPEÃO DA CHAVE OURO a equipe do PALMEIRAS
      Atletas Campeões:    Denilson (goleiro),  Kaká,  Menandro,  Walter,  Claudinei,  Everton,  Zé Roberto e Bitencourt.



 A equipe do Palmeiras conquistou o Campeonato de Verão 2011/2012 e o Campeonato de Inverno 2012.

sábado, 21 de julho de 2012

O que vai e o que fica... amigos.

Alguns anos... uns a mais somando em minha existência, experiência e afinidades; outros a menos diminuindo de mim o que de melhor eu tinha ao nascer a inocência. Assim é a vida. Erros e acertos. Aprendi muito mais com meus erros. Me tornaram um homem melhor, talvez para os outros em consequência, mas para mim em continuidade. Chego aos 43 anos feliz por ter ao meu lado familiares e amigos sinceros. Pessoas que percebem minhas qualidades e se identificam com elas, mas o mais importante... sabem dos meus defeitos e aprenderam a conviver com eles.
Um amigo um dia me disse: " Uma pessoa só tem real valor a alguém quando a soma de suas qualidades superam os seus defeitos! Eis aí alguem em que vale a pena investir seu tempo!" E as relações são assim. Diferente disso é masoquismo.
Partindo deste conceito me sinto feliz, pois hoje sou cercado de inumeros amigos, seja no futebol, no trabalho, na família ou daí por diante...
A todos vocês que me tem como amigo... o meu muito obrigado!

quinta-feira, 12 de julho de 2012

OS PULADORES DE GALHOS...

 Para reflexão: 
"Há duas espécies de cidadãos: os ativos e os passivos. Governantes (políticos) preferem os últimos; a democracia necessita dos primeiros" - John Stuart Mill. É justamente a passividade do eleitor brasileiro ou a massa de nossa população alheia ao que se passa no Parlamento e nos governos que tem contribuído substantivamente para que os senhores políticos façam do mandato o que bem entendem. Como se o mandato político não fosse um compromisso democrático e de respeito eleitoral.

Mas, lamentavelmente, o político brasileiro só se preocupa, preliminarmente, com a sua reeleição como se política fosse profissão. Há exceções, mínimas, daqueles que sabem que mandato político é atividade transitória de prestação de serviços públicos e terminados os seus mandatos voltam para as suas profissões de origens. Mas há aqueles que fazem dos mandatos cabide de emprego ou interrompem os seus mandatos para exercer cargos nos governos ou para se candidatar a novos pleitos em plena vigência de cumprimento de mandato. Isso é uma pouca vergonha dos políticos com a seriedade democrática. E querem que a sociedade fique passiva a essa tramoia política.

Esses puladores de galhos, em busca das glórias do poder, deveriam renunciar o mandato ao se licenciarem. Isso seria o que deveria estar estabelecido na Constituição Federal se a nossa Carta Magna não fosse um instrumento tendenciosamente de cunho político.

Lênin já disse que "onde termina a política começa a trapaça". E eu digo que política no Brasil é a arte de tirar vantagem. O político brasileiro só quer tirar ou levar vantagem. As glórias do poder fascinam os nossos políticos, fazendo-os esquecer de suas responsabilidades democráticas. Os parlamentares que irão disputar as eleições municipais brasileiras dão um grande mau exemplo democrático ao interromperem os seus mandatos.


(Por: Júlio César Cardoso, servidor federal aposentado - DP)

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Como aprendemos a amar uma cidade...

eu amo minha cidade...
 
Fiquei pensando outro dia: o que faz com que a gente ame uma cidade?
Penso que é assim como o lar da gente. Aprendemos que tem um cheiro especial, que só de sentir já relaxa o corpo. Quando a gente vai chegando perto, a emoção acalma, se alegra e começa a cantar.
Nossa vida, entrelaçada com memórias de ruas e janelas, se torna intimamente ligada ao que acontece no pulsar das histórias. Aos antepassados enviamos gratidão, conservando importantes aprendizados. Aos descendentes, reservamos nossos sonhos mais profundos de uma vida digna, justa e feliz.
Amamos uma cidade não porque ela é famosa, pequena, cosmopolita, conservadora, moderna, calma, bonita, turística, industrial, limpa ou qualquer outro adjetivo que se possa imaginar. Amamos simplesmente porque aprendemos a nos sentir parte dela.

Amamos...
Porque a vida das calçadas é também a vida da gente.
Porque respiramos o mesmo ar.
Porque nos importamos com o que lhe possa acontecer.
Porque queremos ver as crianças crescerem saudáveis.
Porque nos sentimos singelamente orgulhosos quando a elogiam.
Porque pudemos escrever nossa história nas páginas de suas ruas.
Porque cultivamos amizades e apreços sem preço.
Porque nosso álbum está cheio de fotos de momentos inesquecíveis.
Porque ela nos oferece o que precisamos.
Porque sentimos gratidão.

Amamos uma cidade como amamos o nosso lar. Sem raízes, perdemos a história. Sem asas, perdemos os sonhos. Uma cidade que nos acolhe é assim, oferece tudo isso.
Penso que para aprender a amar uma cidade, temos que primeiramente amar o nosso lar. Saber quem somos. Ter um compromisso com nossa própria vida. Saber que nossas ações importam. Compreender que somos energia em movimento, e que afetamos positiva ou negativamente qualquer ser vivo ao nosso redor. Diante dessa consciência, sabemos que podemos escolher onde, como e porque viver.
Amar uma cidade não tem nada a ver com ter nascido nela. Porque a vida é feita de escolhas. Podemos escolher sair ou ficar em busca do que nos chama. O que importa mesmo é ouvir o chamado. O que importa mesmo é não fazer da vida uma sucessão de dias repetitivos e sem graça, culpando a cidade por não oferecer o que deveria. Isso não tem nada a ver com a cidade, isso tem a ver com o que somos.
Assim, aprendemos a amar uma cidade não pelo que ela é, mas pelo percurso do nosso caminhar. E não existe regra para o amor. Ele simplesmente acontece, de qualquer jeito e sem avisar. Mas a gente sabe quando ele bate à nossa porta. Portanto, sabemos exatamente quando amamos uma cidade.
 (por: Deborah Dubner)

terça-feira, 3 de julho de 2012

 Definidas as candidaturas ao Executivo Municipal:
 
Eduardo Leite - Prefeito (PSDB) e Paula Mascarenhas - Vice Prefeito (PPS)

Marroni - Prefeito (PT) e Adalim Medeiros - Vice Prefeito (PMDB)

Fabricio Tavares - Prefeito (PTB) e Claudia Leite - Vice Prefeito (PP)

Matteo Chiarelli - Prefeito (DEM) e Daniela Duarte - Vice Prefeito (PV)

Catarina Paladini - Prefeito (PSB) e Reginaldo Bacci - Vice Prefeito (PCdoB)

Jurandir Silva - Prefeito (PSOL) e Júlio C. Domingues - Vice Prefeito ()
(imagem: Diário da Manhã)